segunda-feira, 16 de maio de 2016

SAUDADES...SAUDADES...SAUDADES...

                                     
                                    

                                       
                                       Resultado de imagem para IMERAB                                                              Saudades.....
"Sinto saudades de tudo que marcou a minha vida.Quando vejo retratos, quando sinto cheiros, quando escuto uma voz, quando me lembro do passado, eu sinto saudades...Sinto saudades de amigos que nunca mais vi,de pessoas com quem nunca mais falei ou cruzei...
Sinto saudades dos que se foram, e de quem não me despedi direito!...Daqueles que não tiveram como me dizer adeus;
...Sinto saudades das coisas que vivi e das coisas que deixei passar sem curtir na totalidade.Quantas vezes tenho vontade de encontrar não sei o que...não sei onde...para resgatar alguma coisa que nem sei o que é e nem onde perdi..."

Clarice Lispector

terça-feira, 29 de março de 2016

CHASQUE ELETRONICO DO BALNEÁRIO CAMBORIU - SC.



 Para os  Mandioqueiros Sessentões e Sessentonas do
 IMERAB.


PARA MAIORES DE 60 ANOS

(e para os que vão chegar lá)

1. É hora de usar o dinheiro (pouco ou muito) que você conseguiu economizar. Use-o para você, não para guardá-lo e não desfrutá-lo com aqueles que não tem a menor noção do sacrifício que você fez para consegui-lo. Geralmente as pessoas que não estão sequer na família: genros, noras, sobrinhos. Lembre-se que não há nada mais perigoso do que um genro ou uma nora com ideias. Atenção: não é tempo para maravilhosos investimentos, por mais que possam parecer, eles só trazem problemas e é hora de ter muita paz e tranquilidade.

2. Pare de preocupar-se com a situação financeira dos filhos e netos. Não se sinta culpado por gastar o dinheiro consigo mesmo. Você provavelmente já ofereceu o que foi possível na infância e juventude como uma boa educação. Agora, pois, a responsabilidade é deles.

3. Não é mais época de sustentar pessoas de sua família. Seja um pouco egoísta, mas não usuário. Tenha uma vida saudável, sem grande esforço físico. Faça ginástica moderada (como andar regularmente) e coma bem.

4. Compre sempre o melhor e mais bonito. Lembre-se que, neste momento, um objetivo fundamental é de gastar dinheiro com você, com seus gostos e caprichos e do seu parceiro. Após a morte o dinheiro só gera ódio e ressentimento.

5. Nada de angustiar-se com pouca coisa. Na vida tudo passa, sejam bons momentos para serem lembrados, sejam os maus, que devem rapidamente ser esquecidos.

6. Independente da idade, sempre mantenha vivo o amor. Ame o seu parceiro, ame a vida, ame o seu próximo ... LEMBRE-SE !! "Um homem nunca é velho enquanto lhe resta a inteligência e o afeto".

7. Seja vaidoso. Cabeleireiro frequente, faça as unhas, vá ao dermatologista, dentista, e use perfumes e cremes com moderação. Porque se agora você não é bonito, é, pelo menos, bem conservado.

8. Nada de ser muito moderno. É triste e doloroso ver pessoas com penteados e roupas feitas para os jovens.

9. SEMPRE mantenha-se atualizado. Leia livros e jornais, ouça rádio, assista bons programas na TV, visite Internet com alguma frequência, envie e responda "e-mails" use as redes sociais, mas sem estresse ou com vício. Chame os amigos.

10. Respeite a opinião dos JOVENS. Muitos deles estão melhor preparados para a vida, como nós quando estávamos com a sua idade.

11. Nunca use o termo "no meu tempo¨. Seu tempo é agora, não se confunda. Pode lembrar do passado, mas com saudade moderada e feliz por ter vivido.

12. NÃO caia em tentação de viver com filhos ou netos. Apesar de ocasionalmente ir alguns dias como hóspede, respeite a privacidade deles, mas especialmente a sua. Se você perdeu o seu parceiro, obtenha uma pessoa para ir morar com você e trabalhar com as tarefas domésticas, e tomar esta decisão somente quando não mais possa dar de si e o fim esteja próximo.

13. Pode ser muito divertido conviver com pessoas de sua idade. E o mais importante, não vai funcionar com qualquer um. Mas sim se você se reunir com pessoas positivas e alegres, nunca com "velhos amargos".

14. Mantenha um hobby. Você pode viajar, caminhar, cozinhar, ler, dançar, cuidar de um gato, de um cachorro, cuidar de plantas, cartas de baralho, golfe, navegar na Internet, pintura, trabalho voluntário em uma ONG, ou coletar alguma coisa. Faça o que você gosta e o que seus recursos permitem.

15. ACEITE convites. Batizados, formaturas, aniversários, casamentos, conferências ... Visite museus, vá para o campo ... o importante é sair de casa por um tempo. Mas não fique chateado se ninguém o convidou. Certamente, quando você era jovem também não convidava seus pais para tudo.

16. Fale pouco e ouça mais. Sua vida e seu passado só importam para você mesmo. Se alguém lhe perguntar sobre esses assuntos, seja breve e tente falar sobre coisas boas e agradáveis. Jamais se lamente de nada. Fale em um tom baixo, cortês.Não critique qualquer coisa, aceite situações como elas são. Tudo está passando. Lembre-se que em breve voltará para sua casa e sua rotina.

17. Dores e desconfortos, apresentará sempre. Não os torne mais problemático do que são. Tente minimizá-los. No final, eles só afetam você e são problemas seus e do seu médico .. Lamentações nada conseguem.

18. Permaneça apegado à religião. Mas orando e rezando o tempo todo como um fanático, não conseguirá nada. Se você é religioso, viva-o intensamente, mas sem ostentação. A boa notícia é que "em breve, poderá fazer seus pedidos pessoalmente."

19. Ria-se muito, ria-se de tudo. Você é um sortudo, você teve uma vida, uma vida longa, e a morte só será uma nova etapa, uma etapa incerta, assim como foi incerta toda a sua vida.

20. Não faça caso do que dizem a seu respeito, e menos do que pensam de você. Se alguém lhe diz que agora você não faz nada de importante, não se preocupe. A coisa mais importante já está feita: você e sua história, boa ou ruim, seja como foi. Agora se trata de uma jubilação, o mais suave, em paz e feliz possível.

E LEMBRE-SE:
"A vida é muito curta para
beber vinho ruim."

(Autor desconhecido)

 Texto enviado pelo Mandioqueiro Orlando .

terça-feira, 22 de março de 2016

IMEAB - HOJE

A história da Educação Profissional no IMEAB é mais antiga do que a própria escola.Isso porque, na década de 30, foi inaugurada,onde hoje é o IMEAB, a Colônia Modelo, com o objetivo de auxiliar a produção agropecuária de Ijuí e da região, com novos métodos racionais de trabalho e realização de experiências no setor.
Já em 1943, a Colônia Modelo foi substituída pelo Curso Normal Rural, voltado para a formação de professores com preparo especial para a zona rural; e, em 1962, foi implantado o Curso Colegial Agrícola, antecessor do Curso Técnico em Agropecuária.
Durante o período de 1960 a 1990, também foi oferecido o Curso Técnico em Economia Doméstica, tendo por objetivo formar pessoas habilitadas em arte, habitação,vestuário, saúde e alimentação, cuja atuação estava voltada para o meio rural.
O Instituto Municipal de Ensino Assis Brasil - IMEAB, antigo IMERAB, é a única escola de Educação Básica do Sistema Municipal de Ensino de Ijuí e, por isso, assume características diferentes das demais. Desde 1973 oferece, na Educação Profissional, o Curso Técnico em Agropecuária, reformulado em 2012, estando hoje integrado ao Ensino Médio. Fundado sob a mesma base de formação geral, o universo do trabalho é visto a partir das variadas áreas, cada uma trazendo sua contribuição para a formação geral do educando.
Atualmente, o Instituto atende mais de 1.200 alunos, distribuídos nos diferentes níveis e turnos, da Educação Infantil ao Ensino Fundamental ( 1º ao 9º ano), o já mencionado Curso Técnico em Agropecuária, integrado ao Ensino Médio, além de turmas de EJA.
A estrutura do Instituto conta com duas salas de Atendimento Educacional Especializado (AEE), uma sala para alunos com deficiência visual e outra para alunos com dificuldades intelectuais e motoras. Nesse contexto, o IMEAB destaca-se pela disponibilidade do Curso Técnico integrado ao Ensino Médio e das técnicas que visam à inclusão.
Em paralelo ao desenvolvimento das atividades curriculares são oferecidas aos educandos, no turno inverso das aulas normais, oficinas de futsal, basquetebol, reciclagem, música (violão, flauta,violoncelo e bateria). Essas oficinas oportunizam aos educadores desenvolver habilidades que no melhor desempenho nos estudos.
A escola passou por uma reforma predial, que teve como foco a acessibilidade, visando proporcionar melhor atendimento aos alunos com necessidades especiais.
Atualmente, a escola está constantemente desafiada a repensar sua prática pedagógica, pois o contexto social, econômico, político e cultural assim o exigem. A educação escolar contribui para a democratização social e política da sociedade ao possibilitar aos educandos o saber, o desenvolvimento das capacidades cognitivas para a atuação no trabalho e o domínio das tecnologias na conquista dos direitos à cidadania.
Vivemos a Era da Informação, porém, o grande desafio hoje é transformar a informação em conhecimento. A contextualização do conhecimento retira o indivíduo da condição de espectador passivo, levando-o a pensar e aplicar os conhecimentos a partir de múltiplas ações.
A pesquisa leva os educandos e professores à constante atualização, buscando formas de solucionar problemas e se manterem atualizados nas novas descobertas e avanços. nesse processo de constantes inovações tecnológicas, organizacionais e gerenciais, é premente a necessidade de o homem transformar e adequar a natureza às suas necessidade, o que requer cada vez mais conhecimentos metódicos e sistemáticos,capazes de promover a unificação entre culturas e trabalho, que não se restrinja ao caráter produtivo, mas que abranja dimensões comportamentais, humanas e intelectuais.
O IMEAB, dentro da sua longa história, promove a formação continuada para professores, funcionários e pais, com o objetivo de qualificar, informar e orientar todos os segmentos da comunidade para que o trabalho coletivo, com foco na aprendizagem, ocorra de forma coletiva, coerente com a realidade do Instituto e do contexto social.

Diretora: Miriam Beck
Vice: Simone B. Friederichs e Zeni M. S. Portella
Coordenadoras: Cledi Pelisson, Denise S. de Oliveira, Fabiana Grenzel, Marli Paixão, Marilan Ristow, Patrícia Teixeira.

Revista do Mandiocaço página 9

domingo, 20 de março de 2016

NOTÍCIA - PORTAL IJUÍ.COM ( PORTAL DO PROFESSOR HILÁRIO)

Aos 89 anos, falece Alcides Lucion, ex-diretor do Imeab

Dom, 20 de março de 2016
O professor Alcides Lucion (foto) faleceu às 14h30 deste domingo, 20, em um Casa de Recuperação, em Panambi. Alcides Lucion foi diretor do Imeab, professor da Unijuí, vereador e presidente do PMDB. A seguir mais informações. Foto: Arquivo Ijui.com
Faleceu às 14h30 deste domingo, 20, o professor Alcides Lucion.

Ele estava com a idade de 89 anos e estava internado em uma Casa de Recuperação, em Panambi.

O velório acontece a partir das 19h na Funerária Lupatini, situada na av. Davi José Martins, nas imediações do HCI, em Ijuí.

Os atos fúnebre acontecem a partir das 14h30 desta segunda-feira, 21.

O professor Alcides Lucion deixa a esposa e professora Terezinha Schneider Lucion, os filhos Ana Paula Schneider Lucion de Luccas, Tiago Luís Schneider Lucion, Maria Cristina Schneider Lucion e os netos Luana, Taila e Ana Carolina.

OBS. Mais notícias no portal.ijuí com

sábado, 19 de março de 2016

NO IMERAB ACONTECIA DE TUDO

Cheguei em Ijuí no mês de abril de 1964, transferido da Escola Técnica Rural "Emílio Zuneda", de São Luiz Gonzaga, para o Curso Colegial Agrícola do IMERAB.Minhas funções seriam substituir o professor Carlos Rivaci Sperotto, hoje presidente da FARSUL, que alegava não dispor de tempo para lecionar a disciplina de Criação de Animais Domésticos.
Naquela oportunidade vim fazer parte de um grupo de quatro professores Técnicos Estaduais cedidos ao IMERAB.Éramos o Hélio Amadeu Beal, disciplina de Agricultura; Adroaldo Hartmann, Horti-fruticultura; Honi Vogt, Mecânica Agrícola; e eu Izacc Froes, para a criação de Animais Domésticos.
A tarefa era grande, mas a direção e o entusiasmo do Frei Clarêncio, de Tapejara - professor Alcides Lucion, obteve-se sucesso e crescimento nesse período. A Escola, com o empenho de todos, tornou-se admirada, elogiada e reconhecida no Estado e regiões do Brasil.
Nesse processo coube a mim, além das aulas teóricas e práticas, a função de dirigir e orientar a construção das instalações para o setor de criação da Escola Fazenda, bem como  a aquisição de reprodutores para melhoria das raças de bovinos e suínos, tarefa de muita responsabilidade. O trabalho teve sucesso graças à participação de todos e, em particular dos alunos que, em sua maioria, eram excelentes, elevando e levando o nome da Escola por toda a parte aonde foram atuar, exercendo diferentes atividades e funções.
Naquele tempo muitos professores eram solteiros e residiam na Escola, assim como também o diretor e a maioria dos alunos, pois eram internos.Formávamos " uma família", como se dizia na época, disponibilizando-nos integralmente à Escola. Assim, acompanhávamos os alunos em atividades extraclasse, quando permitidas pela direção, tanto sociais, como recreativas e esportivas. Neste particular, lembro-me de dois fatos pitorescos.
Em 1964/65, a Escola possuía um excelente time feminino de vôlei, porém a desenvoltura das alunas nas competições, torneios e campeonatos intercolegiais era prejudicada, a nosso ver, pelo uniforme. As meninas usavam blusa branca e saia plissada, azul, uniforme permitido pela Madre e Irmãs, que eram responsáveis pelo internato feminino.
Com o argumento de que as meninas jogariam melhor ainda e estariam menos expostas a vexame em jogadas que exigissem maior disponibilidade de movimento, fomos à direção pleitear para que as atletas pudessem usar calça, short ou calção durante as partidas, o que após muita argumentação, terminou sendo aceito.
Anos depois, bom e competitivo era o time masculino de futebol de salão. Nas competições intercolegiais as  torcidas adversárias, por represália, tentavam intimidar nossos atletas gritando a plenos pulmões  " MAAANDIOQUEIIIOS!" Esta expressão deu origem  a " MANDIOCAÇO", termo usado atualmente, para designar o encontro, a confraternização de ex-alunos do Instituto.
O segundo fato pitoresco de que lembro é que naquela época os alunos com falta disciplinar, julgado pela direção, recebiam como "castigo" algumas tarefas a serem realizadas.
Em certa oportunidade coube-me dar a tarefa ao faltoso, isto num sábado à tarde. Fomos à Granja, na Linha 4 Leste.À esquerda de onde mais tarde seria a sede da Escola Fazenda ficavam o potreiro, um galpão rústico/depósito de rações e uma meia água onde estavam as cocheiras para seis ou sete vacas.
Chegando lá informei ao aluno faltoso a tarefa que teria que desempenhar:" vais pintar a cal, internamente, todas as cocheiras, os cochos e as divisórias...TUDO, TUDO, que depois de pronto venho conferir". Saí e fui ver outros assuntos vinculados ao desenvolvimento dos projetos.
Depois de certo tempo o aluno veio ao meu encontro informando que havia acabado, tinha pintado TUDO...Fui conferir...Só que havia duas vacas holandesas presas nas cocheiras e ele, realmente tinha pintado TUUUDO. inclusive as vacas, em especial suas manchas pretas!!!
Mas minha história pessoal precisa ser concluída....
Após mudanças que ocorrem na equipe diretiva do IMERAB fui transferido para assumir a Direção da Escola Estadual de 1º Grau " Rui Barbosa", o Ruizinho, em Ijuí mesmo, onde trabalhei até minha aposentadoria.
Izaac Froes
Ijuí - RS
Revista do Mandiocaço página 41.