domingo, 10 de abril de 2011

REFLEXÃO EM DEFESA DO MEIO AMBIENTE E DO PATRIMÔNIO DO IMEAB

Reflexão em Defesa do Meio Ambiente e do Patrimônio do IMEAB.
Tendo em vista os recentes fatos envolvendo doações de terras pertencentes a Escola Fazenda do IMEAB a empresas particulares, pelo Poder Público Municipal de Ijuí, manifesto minha indignação na condição de ex aluno deste estabelecimento de ensino, defensor da preservação do patrimônio e dos recursos naturais existentes no local.
Os padrões atuais de desenvolvimento apresentam sérios riscos para o ecossistema global. É fácil perceber que os padrões de consumo dos pobres são insustentáveis (porque insuficientes), mas também os padrões de consumo dos ricos são insustentáveis (pelo uso de recursos não-renováveis). Juntos sobrecarregam a capacidade de suporte da terra. A pressão sobre o meio ambiente causada pelo subdesenvolvimento é tão nefasta quanto a pressão causada pela ostentação da riqueza. Parece que tanto os países pobres quanto os ricos precisam mudar comportamentos individuais e coletivos, suas atitudes como consumidores, suas crenças no crescimento econômico a qualquer preço. Para auxiliar a reflexão, temos a seguir o relatório do Pnuma Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, em reunião realizada em Nairóbi (Quênia) em fevereiro de 2007.
• 800 milhões de pessoas sofrem de desnutrição e 2 bilhões de pessoas sofrem com a insuficiência de micronutrientes no organismo;
• 2 bilhões de pessoas sofrem com a carência de água;
• A extinção das espécies animais e vegetais é hoje 10 mil vezes maior do que a sua taxa de desaparecimento natural;
• Resta apenas uma quinta parte das florestas originárias no planeta Terra, 40% da vegetação que ainda resta está ameaçada pelos desmatamentos que chegam a 16 milhões de hectares por ano;
• A erosão dos solos é responsável pela perda de mais de 25 bilhões de toneladas de solo fértil por ano e ameaça o sustento de mais de 1 bilhão de pessoas;
• 20% dos peixes já estão extintos, ameaçados ou em perigo de extinção, e as frotas pesqueiras são 40% maiores do que a capacidade dos oceanos em suportar suas atividades;
• 5 milhões de pessoas morrem anualmente vitimadas por enfermidades transmitidas por águas contaminadas, como a diarréia. Outras 2 milhões morrem por problemas respiratórios causados pela queima de combustíveis fósseis;
• Quase metade da população mundial vive com menos de 2 dólares por dia. (US$ 2,00).
Pelo exposto acima, nos resta buscar consciência e refletir sobre o que veremos a seguir sobre desenvolvimento.
Até hoje, a definição mais conhecida para desenvolvimento sustentável foi aquela formulada pela Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CMMAD), criada pela ONU em 1983, para discutir e propor meios de conciliar desenvolvimento econômico e preservação ambiental. Os trabalhos foram concluídos em 1987, com a apresentação de um diagnóstico dos problemas globais ambientais. O conceito apresentado por esta Comissão, presidida pela então primeira-ministra da Noruega, Gro Harlen Brundtland, diz:
"Desenvolvimento Sustentável é o desenvolvimento que busca suprir as necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de atendê-las no futuro. As gerações futuras devem ter acesso a, pelo menos, o mesmo nível de capital natural que as gerações que as antecederam. Para que isso seja possível, a proteção do meio ambiente é condição inerente ao desenvolvimento sustentável e objetivo de todo o Planeta, pois o problema ecológico não se esgota no limite geográfico dos países". Este conceito foi apresentado no documento chamado Nosso Futuro Comum. No final dos anos 1980 este documento foi publicado em vários países, inclusive no Brasil pela Fundação Getúlio Vargas do Rio de Janeiro, em 1988. Pelo exposto, sou da opinião de preservar o atual patrimônio do IMEAB para que os futuros alunos, tenham condições de, através de aulas práticas de agricultura e pecuária, aprimorarem seus conhecimentos visando uma formação profissional voltada a produção de alimentos com uso de tecnologia tendo consciência da preservação do meio ambiente.
Luiz Carlos Carbonari.
Fonte: Livro Texto TECNOLOGIA E MEIO AMBIENTE
Professora Maria Aparecida de Carvalho Zasso
UNIJUÍ – Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário.