sábado, 19 de março de 2016

NO IMERAB ACONTECIA DE TUDO

Cheguei em Ijuí no mês de abril de 1964, transferido da Escola Técnica Rural "Emílio Zuneda", de São Luiz Gonzaga, para o Curso Colegial Agrícola do IMERAB.Minhas funções seriam substituir o professor Carlos Rivaci Sperotto, hoje presidente da FARSUL, que alegava não dispor de tempo para lecionar a disciplina de Criação de Animais Domésticos.
Naquela oportunidade vim fazer parte de um grupo de quatro professores Técnicos Estaduais cedidos ao IMERAB.Éramos o Hélio Amadeu Beal, disciplina de Agricultura; Adroaldo Hartmann, Horti-fruticultura; Honi Vogt, Mecânica Agrícola; e eu Izacc Froes, para a criação de Animais Domésticos.
A tarefa era grande, mas a direção e o entusiasmo do Frei Clarêncio, de Tapejara - professor Alcides Lucion, obteve-se sucesso e crescimento nesse período. A Escola, com o empenho de todos, tornou-se admirada, elogiada e reconhecida no Estado e regiões do Brasil.
Nesse processo coube a mim, além das aulas teóricas e práticas, a função de dirigir e orientar a construção das instalações para o setor de criação da Escola Fazenda, bem como  a aquisição de reprodutores para melhoria das raças de bovinos e suínos, tarefa de muita responsabilidade. O trabalho teve sucesso graças à participação de todos e, em particular dos alunos que, em sua maioria, eram excelentes, elevando e levando o nome da Escola por toda a parte aonde foram atuar, exercendo diferentes atividades e funções.
Naquele tempo muitos professores eram solteiros e residiam na Escola, assim como também o diretor e a maioria dos alunos, pois eram internos.Formávamos " uma família", como se dizia na época, disponibilizando-nos integralmente à Escola. Assim, acompanhávamos os alunos em atividades extraclasse, quando permitidas pela direção, tanto sociais, como recreativas e esportivas. Neste particular, lembro-me de dois fatos pitorescos.
Em 1964/65, a Escola possuía um excelente time feminino de vôlei, porém a desenvoltura das alunas nas competições, torneios e campeonatos intercolegiais era prejudicada, a nosso ver, pelo uniforme. As meninas usavam blusa branca e saia plissada, azul, uniforme permitido pela Madre e Irmãs, que eram responsáveis pelo internato feminino.
Com o argumento de que as meninas jogariam melhor ainda e estariam menos expostas a vexame em jogadas que exigissem maior disponibilidade de movimento, fomos à direção pleitear para que as atletas pudessem usar calça, short ou calção durante as partidas, o que após muita argumentação, terminou sendo aceito.
Anos depois, bom e competitivo era o time masculino de futebol de salão. Nas competições intercolegiais as  torcidas adversárias, por represália, tentavam intimidar nossos atletas gritando a plenos pulmões  " MAAANDIOQUEIIIOS!" Esta expressão deu origem  a " MANDIOCAÇO", termo usado atualmente, para designar o encontro, a confraternização de ex-alunos do Instituto.
O segundo fato pitoresco de que lembro é que naquela época os alunos com falta disciplinar, julgado pela direção, recebiam como "castigo" algumas tarefas a serem realizadas.
Em certa oportunidade coube-me dar a tarefa ao faltoso, isto num sábado à tarde. Fomos à Granja, na Linha 4 Leste.À esquerda de onde mais tarde seria a sede da Escola Fazenda ficavam o potreiro, um galpão rústico/depósito de rações e uma meia água onde estavam as cocheiras para seis ou sete vacas.
Chegando lá informei ao aluno faltoso a tarefa que teria que desempenhar:" vais pintar a cal, internamente, todas as cocheiras, os cochos e as divisórias...TUDO, TUDO, que depois de pronto venho conferir". Saí e fui ver outros assuntos vinculados ao desenvolvimento dos projetos.
Depois de certo tempo o aluno veio ao meu encontro informando que havia acabado, tinha pintado TUDO...Fui conferir...Só que havia duas vacas holandesas presas nas cocheiras e ele, realmente tinha pintado TUUUDO. inclusive as vacas, em especial suas manchas pretas!!!
Mas minha história pessoal precisa ser concluída....
Após mudanças que ocorrem na equipe diretiva do IMERAB fui transferido para assumir a Direção da Escola Estadual de 1º Grau " Rui Barbosa", o Ruizinho, em Ijuí mesmo, onde trabalhei até minha aposentadoria.
Izaac Froes
Ijuí - RS
Revista do Mandiocaço página 41.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui o seu comentário.